Sorocaba – Corrida Noturna

Em setembro resolvi encarar mais um desafio.

Corrida Noturna - Sesc Sorocaba

Corrida Noturna - Sesc Sorocaba

Como tinha adorado minha primeira experiência em corridas, claro que não perderia a oportunidade, sem saber que em breve isso se tornaria um vício.

Já que gosto de viajar e agora correr, por que então não unir os dois? A viagem foi excelente, uma dose de ansiedade, claro, mas foi tranquila. No caminho, acompanhado pelo amigo Alceu, paramos num restaurante bem legal, típico português, com pratos e decoração que valem a pena. Muita gente conhece o famoso lanche de pernil do Estadão. Gosto muito, mas o desse restaurante, vale muito a pena. Excelente! Claro que não vou sair de São Paulo, pegar estrada e pagar pedágios pra comer um lanche, mas certamente, passando por ali, será uma parada obrigatória. Pera lá, o post não é gastronômico.

Retomando…

Parque das Águas - Sorocaba

Parque das Águas - Sorocaba

Sorocaba, como diriam meus amigos mineiros, é logo ali. Chegamos rápido e logo encontramos o local da prova, Parque das Águas. Fizemos algumas fotos, retiramos o kit de participação e, como estava cedo, acompanhamos a montagem da estrutura e também do palco para o show de encerramento.

O tempo passando, ansiedade apertando. Melhor dar uma última calibrada nos pneus e começar o alongamento. Quando termino, convidam todos a se aproximarem da largada. Pra minha surpresa, desta vez, haveria outros deficientes participando, o que achei legal. Eram cegos, com seus guias, corredores que participam junto com eles, unidos por uma espécie de elástico e que vão guiando os atletas, seguindo o ritmo do cedo e nunca ditando, ou seja, o guia nunca deve passar a frente.

Calibrador portátil. Sempre útil.

Calibrador portátil. Sempre útil.

Logo que me viram na pista, um deles perguntou se eu iria correr com aquela cadeira, uma vez que é a que uso no meu dia a dia, sem equipamento algum, apenas eu e a cadeira. O segundo, ao se aproximar, olha pra mim, em seguida pra cadeira e pergunta: “Cara, você tomou água de penico?”. Com essa cadeira você não vai nem concluir a prova. Meu ânimo, por instantes, foi lá embaixo.. por alguns momentos senti-me um pouco humilhado. Mas como quem me conhece sabe como sou, isso fez foi me animar, dar mais pique e vontade de ir atrás e conquistar de volta meu orgulho, não ferido, mas instigado, incitado e intimado a mostrar a que veio.

Preparar… partiu!

Largada. Comendo poeira...

Largada. Comendo poeira...

A primeira vista o circuito parecia menos inclinado. Logo na saída, claro, fiquei para trás, comi poeira mesmo, afinal, as outras duas cadeiras são as de três rodas, específicas para corridas e eles são experientes. Essa era minha segunda prova, sem preparo, sem equipamento. Até segurança estava faltando, pois estava sem luvas e sem capacete, apenas munido de vontade e uma certa raiva.

Passado o primeiro quilômetro, já seguindo para o segundo, damos a volta na pista, passando pela primeira ponte e ai, finalmente, um trecho favorável, em descida. Para surpresa e susto do outro cadeirante, grito um sonoro “sai, sai… sai da frente”. Assustado, abre caminho e pergunta como cheguei até ali. Pena, não deu tempo de responder. O trecho seguinte é mais plano, neutro e por isso exige mais toque na cadeira. Minhas mãos já começam a cansar e meus ombros a doer, mas pego água, num dos postos de hidratação e sigo. O público, além de vibrar, passa uma energia muito boa, incentiva, acolhe.

Vai lá! Falta pouco.

Vai lá! Falta pouco.

Do outro lado do rio avistamos o pórtico de chegada, um breve alento se não viesse a mente a ideia de que ainda falta metade ou mais do percurso. A frente, um certo medo começa a crescer. Escuro. Um trecho sem iluminação obriga que reduza a velocidade. Não consigo avistar o chão e, quase sem referência, conto com a sorte e não me deparo com nenhum buraco. O menor deles, para o tipo de cadeira que uso, somado a velocidade, pode ser um belo tombo.

Passado o trecho sombrio, melhorou? Não! Segunda ponte. Superando ela e o cadeirante que me ultrapassou no trecho plano, posso tentar uma última acelerada, um sprint, e chegar com um bom tempo. Esforço, suor, mas não, é muito íngreme, tenho que ir devagar, nesse caso, estava quase parado. Inclinado e em reforma, areia da pista, fruto da reforma, combinação horrível mas, como dizem, quem tem amigo não morre pagão. Sinto o apoio dos amigos que passam e o incentivo mais que bem vindo do Alexandre, companheiro de academia. “Vamos, irmão, vamos que tá chegando”.

Reta final, quase chegando.

Reta final, quase chegando.

Valeu, Alê! No alto do viaduto, ultrapasso novamente o Nilton, estou em segundo. Agora é terminar o viaduto, descer e pegar a reta para a chegada. Descendo, o que é isso? Minha cadeira começa a trepidar. Além do asfalto, irregular, as rodas dianteiras começam a oscilar muito, com toda a razão, pois não foram feitas para isso. A frente, uma curva de 90 graus e, ao lado, lá vem o Nilton, que me ultrapassa facinho. Também, pudera, sua cadeira chega a 75km/h enquanto a minha, bom, deixa pra lá…

Como assim?! Já chegou?

Como assim?! Já chegou?

Feita a curva, agora é tirar ‘no braço’. Água, preciso de água. Vamos, falta pouco. Avisto o Nilton adiante, mas não dá, não o alcançarei mais, mas quero diminuir a diferença. Vai, acelera, queima porque agora é a hora! Os braços queimam, os ombros doem, mas chego, colado com ele. Apenas 11 segundos separam uma cadeira de corrida de uma cadeira convencional movida a muita vontade e uma boa golada de água servida num bom penico.

Tempo oficial Cronoserv (líquido)

Paulo Cesar Vieira: 00:22:15
Nilton Inacio: 00:25:53
Meu tempo: 00:26:04

 

Fotos by Alceu Rosa

Anúncios

  1. Nossa amigão, que emocionante hehe, Tomara que logo voce arrume esta cadeira muito emocionante, parecia que eu estava vendo 🙂

  2. Querido amigo, gosto de ler seus relatos e perceber o quão importante esta sendo esta fase de sua vida. Acredito que além de melhoras físicas, a forma como você vê a vida acaba melhorando. Isso é bom, ah é muito bom. Fico feliz por ver isso em você. cada dia conquistando novas vitórias, com essa energia de lutador. Esta de Sorocaba foi a segunda que participei, acabei sem querer virando o fotografo do evento rsss, me divirto com isso. Por isso, amigo, conte sempre comigo nessas aventuras malucas e também, nos momentos bons ou ruins da vida. Ando vivendo momentos de grande mudanças no ambito profissional, to seguindo seus conselhos para evitar que as decepções sejam maiores. Obrigado pelas dicas.

    abraço querido amigo!

  3. Nossa! Que post emocionante!! Puxa que força e dedicação! Essas palavras me faz pensar o quanto pessoas como vc, são exemplos em nossas vidas e tbm nos dá mais força para ir cada vez mais à frente!
    Para mim a corrida tbm é algo que nunca imaginei, sempre achei que não consegueria nem dar uma volta no quarteirão. E agora correndo até 10 km! Nossa nem acredito.
    Parabéns!!Vc merece muito mais!!!

    • Olá, poxa, obrigado pelas palavras.
      Curti bastante seu blog tb e espero que consigamos correr mais e mais vezes, quem sabe, ano que vem, façamos o revezamento em duplas, 10km, quer dizer, duas vezes o percurso que corremos domingo hehehehe
      Hj, só de pensar, dói.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s